Arena Pantanal: legado para os cuiabanos

30/06/2014 - Atualizado em 30/06/2014 15:21

 

Lenyr Rodrigues de Miranda é uma cabeleireira aposentada, mãe de 8 filhos e vó de 11 netos. Lenyr foge do esteriótipo de de uma pessoa que aproveitaria a Copa do Mundo, ou qualquer derivação desta, pois Lenyr aproveitou a Copa e aproveita o maior legado deixado por ela, a Arena Pantanal.

Há mais 30 anos morando no Verdão, Dona Lenyr recorda-se de quando o bairro era só mato. “Aqui era só mato, a maior parte era só caminho, aqui não tinha rua”, conta a aposentada. Dona Lenyr viu a mudança chegar a transformar o bairro, “depois veio colégio, clínica, mercado, rua asfaltada e agora a Arena Pantanal”.

A neta de Dona Lenyr, Renata Rodrigues, estudante cuiabana, acredita que a horda estrangeira que invadiu Cuiabá durante a Copa, encheu o coração dos cuiabanos e aumentou a expectativa pela Copa. “Depois que veio todo esse povo chileno pra cá, australiano, russo, coreano, os times que vão jogar aqui, e fora as pessoas de outros países, de certa forma o olhar mudou. E a expectativa que foi gerada assim, de certa forma completou o coração de todo mundo, que é algo assim, inexplicável”, acredita Renata.

Arena Pantanal – vizinha ilustre do Verdão

Dona Lenyr afirma ter orgulho de ser vizinha da Arena. “Orgulho de ter esse privilégio de morar aqui, com a Arena Pantanal do lado da minha casa. Eu saio no portão e eu vejo a Arena. Pego a cadeira e ponho no pátio e vejo as crianças brincando, andando de bicicleta, meu guri gosta de andar de skate”, afirma Dona Lenyr. O uso do entorno da Arena como área de lazer para as famílias da vizinhança, como a da Dona Lenyr, fazia parte do plano da Arena Pantanal, que quer ser mais que um legado somente para o futebol, quer incentivar o lazer, o esporte e o entretenimento na cidade.

Além de nova opção de lazer, a Arena agora será a maior incentivadora para o desenvolvimento do bairro. Justificando a paciência que os moradores tiveram durante a fase de obras. “Pra reformar até o banheiro da minha casa, tem que passar por esse processo. É quebrar, é terra, é sujeira, é lama, mas depois fica bonito, fica lindo, como ficou a Arena”, diz Renata.

A Arena e a Copa certamente reacenderam a paixão do cuiabano pelo futebol, e é por isso que Dona Lenyr profetiza, “acho que agora o cuiabano vai voltar pro estádio, como era antes”.

 

Se gostou, compartilhe:

2018 - Todos os direitos reservados.